PONTOS PARA CANCELAR A INSEGURANÇA

Eu criei este E-book por um motivo! – Ajudar pessoas que se sentem da mesma forma como eu já me senti. Com medo e insegura!.

Lembro-me que certa vez senti muitoooo medo.

Eu tinha 8 anos, meu irmão mais velho do que Eu - ficou doente e não podia me levar de bicicleta para à escola.

Eu precisei pela primeira vez andar a pé sozinha 5 quilômetros no meio do mato, uma trilha improvisada para encurtar o caminho.

A ida foi uma tortura absoluta! Na àquela época falava-se muito nos “homens do fusca ou da kombi que roubam crianças” (carros populares da época) ou “dos homens que tiravam sangue das crianças”, a comunidade criava verdadeiras lendas urbanas para aterrorizar as crianças, e eu sentia muitoooo medo.

– MAS EU VOU TE CONTAR UM SEGREDO PARA ACABAR COM ESSE TIPO DE SENTIMENTO.

Lembro que naquele dia choveu muito e o rio subiu tanto que bloqueou a trilha.

O pai de um colega veio busca-lo, e avisou que era impossível retornar pela trilha, por causa do volume da água.

Isso significava que para voltar, precisava dar a volta e com isso andar mais 2 quilômetros.

Estávamos no solstício de inverno e os dias eram mais curtos, escurecia antes e a estrada estava barrenta.

Eu, pequena tinha dificuldades para caminhar, resvalava, minha roupa já estava bem suja, meu material com barro que mal se conhecia.

Mesmo com tanta dificuldade, chorando por um bom trecho de medo, - medo das crenças que incutiam sobre os ladrões de sangue, medo do escuro, medo de ESTAR COMPLETAMENTE SOZINHA!

Medo de gente, medo do que nem se quer sabia se existia uma angustia interminável. Lembro que o trajeto fora Eterno.

Toda vez que eu avistava alguém que passava pela estrada corria como uma desesperada para o meio da roça e me escondia atrás do tocos, arbustos, arvores, plantações o que encontrava

– esperava assustada até que minha visão já não acompanhava o estranho que passava.

E isso se passou nem uma nem duas vezes, foram várias!

Quando ouvia um carro, logo corria buscar um esconderijo e ali permanecia imóvel até que desaparecia.

- Chorava baixinho toda vez que via um vulto no meia da mata, fantasmas se formavam na minha mente, o medo e o pânico faziam com que eu identificasse sombras que ali não existiam.

Logo após a chuva as noites costumam ser bem claras.

Cheguei em casa já muito escuro e a luz da lua me guiava.

Meus irmãos já estavam de banho tomado, meus pais não podiam me dar atenção porque tinham muitos afazeres.

Era bicho, era janta, era filho, era irmão doente, eram muitas preocupações que nem imaginavam o quanto estava apavorada, não lhes passava pela cabeça que uma criança pequena talvez precisasse ser buscada, que precisasse de ajuda.

Não os julgo, tiveram seus motivos, o fato é que nem ao menos pude contar a dor que sentia.

Tomei meu banho, e a água quente limpava meu corpo e lentamente abafava meu medo – Eu estava em Casa.

Nas orações antes da janta pedi a Deus que isso nunca mais se repetisse, que levasse minha angustia, meus medos e minha insegurança.

Ao dormir uma das minhas irmãs mais velhas percebeu que eu soluçava.

Eu recordava o pânico que havia sentido - e Chorei!. Dormíamos em 4 numa cama de casal, por compartilhar do mesmo espaço era fácil identificar quando uma de nós não estava bem.

Ela passou a mão na minha testa, afagou meu cabelo e perguntou o porque de estar chorando. -Contei a ela como eu me sentia.

Ela me abraçou, pediu para me acalmar, me falou que os nossos pais estavam ali para nos proteger e nada de mal nos aconteceria, eles eram nossos protetores e me explicou que esse tipo de sentimento é algo natural do ser humano, que ela também já havia se sentido daquela maneira.

Adormeci com o carinho que me fez.

O segredo que vou te contar está atrelado justamente a isso.

Por muitas vezes senti medo e insegurança, depois de adulta não tinha mais meus pais e minhas irmãs para me proteger.

Senti medo e insegurança em relação a violência, com relação a assaltos, com relação a falência das empresas da família, instabilidade financeira, insegurança na educação do meu filho, em relação ao futuro, em ter uma casa, em fim, sentimentos que me travavam e me perturbavam.

E a grande sacada para acabar com esse sentimento paralisante veio de uma técnica desenvolvida por um guru que conheci certa vez.

A técnica era assim, - Ele pegava uma pedra de rio, polida. Colocava entre as mãos fazendo uma conchinha, respirava fundo e lentamente e assoprava na pedra, repetidas vezes.

-Ele também falava com a pedra, coisas do tipo – Você PODE, você é Capaz, você é Seguro, Você é Inteligente, até que o Sentimento Paralisante Desaparecia.

A pedra, ele levava consigo no bolso da calça e toda vez que sentia medo e insegurança aplicava a técnica.

Observando esse guru eu desenvolvi um MÉTODO que consiste em 6 pilares que ELIMINAM COMPLETAMENTE A INSEGURANÇA.

Quer Saber Como?

Baixe o E-book grátis. Lá eu explico tim - tim por tim - tim o que você deve fazer para se Livrar desse Mal.

Profissional de Terapia Holística, Parapsicóloga Alice Follmann

Sou palestrante, parapsicóloga...

Sobre Alice Follmann
Receba atualizações

Você receberá um e-mail para confirmação!

Posts Destacados
Posts Recentes
Siga
  • Facebook Black Round
  • Twitter Black Round
  • YouTube - Black Circle
Procure pelos Tags
EbooK Gratuito Em busca da vida 4 Passos para superar a Depressão

© 2015 criado com Wix.com

Rua Marechal Castelo Branco, 98 - Missal /PR 

 

Todos os direitos reservados à Alice Follman - O Estudo da Mente